Conheça as principais diferenças entre rádio e podcast

Pai da Júlia e do Pedro. Especialista em Marketing Digital, com MBA em e-Business pela FGV. Formado em Administração de Empresas pelo IBMEC. Empreteco.
26/06/2019
Marketing de Conteúdo | Marketing Digital | Podcast in Company

Rádio e podcast parecem ter tantas semelhanças que fazem com que muita gente questione se eles não são a mesma coisa. Porém, quem se aprofunda no assunto logo consegue perceber que as diferenças são muito mais marcantes do que essas semelhanças. Por isso, conheça as principais diferenças entre rádio e podcast.

Conheça as principais diferenças entre rádio e podcast

Fonte: freepik.

Programação x demanda

Quando você tem um programa de rádio, é preciso seguir um cronograma e formato rigorosos. Você está no ar apenas por um período predeterminado de tempo em um horário específico do dia. Além disso, você deve comunicar essa programação aos ouvintes para que eles tenham a oportunidade de ouvir a transmissão de rádio ao vivo completa desde o início.

Alguns ouvintes também podem sintonizar a qualquer momento durante a transmissão, o que significa que você precisa reapresentar o programa periodicamente, assim como falar repetidamente sobre os tópicos discutidos e até mesmo recapitular as conversas durante a programação.

Já com um podcast, o público ouve quando quiser. As pessoas sempre vão começar ouvindo do começo cada episódio e terão a capacidade de parar de ouvir e voltar mais tarde para continuar do ponto em que pararam. Seus ouvintes também podem reiniciar o podcast ou voltar a um certo ponto se acabarem perdendo algo, o que não é possível de ser feito com uma transmissão de rádio.

Programação x demanda

Fonte: freepik.

Com um podcast, o público tem muito mais controle sobre como, quando, o que e onde eles ouvem. Embora você provavelmente tenha um cronograma de envios de podcasts, elaborado de forma a fazer com que a série tenha sentido, seu público tem sua própria agenda e pode acabar ouvindo os episódios fora da ordem original.

Apelo para massa x produção para um nicho

Historicamente, o rádio se inclinou para o apelo de massa e os podcasts gravitaram mais para nichos. Em geral, as estações de rádio tradicionais tentam atrair um público maior tocando músicas populares, de estilos variados e criando conteúdos sobre uma ampla gama de tópicos. Isso representa um desafio porque, embora você esteja criando um apelo para massa, pode ser difícil alcançar um grande público e capturar a atenção dele.

E embora existam alguns podcasts que tentam atrair um público amplo, a grande maioria se concentra em tópicos específicos, de modo a chamar a atenção de um nicho. Com um podcast de nicho, você espera que o público que pode se interessar por seus programas encontre-os ao buscar online por materiais relativos aos temas discutidos.

Historicamente, o rádio se inclinou para o apelo de massa e os podcasts gravitaram mais para nichos

Fonte: freepik.

Ao vivo x pré-gravado

Programas de rádio costumam ser ao vivo e você tem que se sentir confortável em ser espontâneo e tentar evitar erros, interrupções, dificuldades técnicas, etc. Se alguma coisa acontecer, você não poderá editar o áudio; só pedir desculpas ao público. Além disso, em um programa ao vivo há restrições quanto ao tempo que sua transmissão pode ocupar na programação.

Quando você tem um podcast, você tem a capacidade de regravar qualquer coisa, até mesmo eliminando materiais que você não gosta, deixando o produto o melhor possível. No entanto, você pode perder em espontaneidade por causa desta capacidade de edição.

Além disso, embora você provavelmente tenha uma duração de episódio que considere adequada, não há restrições de tempo, ao contrário de um programa ao vivo. Você pode falar por quanto tempo quiser e depois cortar algumas partes. Porém, se a discussão for muito interessante, é possível incluir tudo e criar um episódio super detalhado sobre um determinado assunto.

Ao vivo x pré-gravado

Fonte: freepik.

Regulamentação x não regulamentado

Os regulamentos que regem rádios e podcasts variam muito. Com o rádio, você obviamente toca muita música, mesmo em transmissões ao vivo, o que exige certos cuidados. É preciso obter licenciamentos para usar as músicas e ainda há regulamentos sobre a frequência com que você pode reproduzir os mesmos artistas, álbuns e faixas.

Já com podcasts, geralmente não se usa música devido a problemas de direitos autorais. É claro que você pode usar música se tiver permissões específicas do artista ou se a música estiver sob domínio público, mas, fora esses casos, você não poderá colocar música no seu podcast. Como os podcasts não são regulamentados, é bem difícil obter licenças de uso para músicas.

Vida curta x vida longa

Vida curta x vida longa

Fonte: freepik.

Programas de rádio e podcasts têm tempos de vida muito diferentes. As transmissões de rádio têm uma vida incrivelmente curta, já que estão disponíveis apenas para os ouvintes ligados enquanto estão acontecendo. Uma vez que um evento de rádio termina, esse é o fim de sua vida.

É claro que é possível gravar eventos ao vivo e publicá-los em um blog ou site para prolongar suas vidas; no entanto, em geral, há uma pequena janela de oportunidade para uma transmissão ao vivo ser consumida via rádio.

Com os podcasts ocorre o oposto, pois eles costumam ter uma vida incrivelmente longa. Na verdade, um podcast deve se manter online para sempre, para que seu público-alvo sempre possa consumi-lo, seja semanas, meses ou até mesmo anos depois depois de sua produção e divulgação.

Programas de rádio e podcasts têm tempos de vida muito diferentes

Fonte: freepik.

Como é possível perceber, existem algumas diferenças importantes entre rádio e podcast que os tornam completamente diferente. E se você está pensando em começar a criar materiais de áudio para difundir seus conhecimentos ou mesmo sua marca na internet, não deixe de entrar em contato com a Agência IMMA para criar um plano de marketing de conteúdo personalizado e gravar um podcast para suas necessidades.

Veja também